Warning: Missing argument 2 for wpdb::prepare(), called in /home/interaweb/www/wp-content/themes/thunder/framework/plugins/post-types-order/post-types-order.php on line 173 and defined in /home/interaweb/www/wp-includes/wp-db.php on line 1202

Warning: Missing argument 2 for wpdb::prepare(), called in /home/interaweb/www/wp-content/themes/thunder/framework/plugins/post-types-order/post-types-order.php on line 251 and defined in /home/interaweb/www/wp-includes/wp-db.php on line 1202

ENEM – Dicas de redação 4

Fuja das propostas vazias

Professores afirmam que nove em cada dez redações apresentadas no Enem e vestibulares são encerradas por passagens como “precisamos nos conscientizar de que”, “os pais precisam se conscientizar”, “o governo deve conscientizar os cidadãos”. Não há mal algum em imaginar que a tomada de consciência é o primeiro passo para mudanças. Mas se essa fosse a cura para todas as doenças, bastaria realizar milhares de campanhas de conscientização para sanar todos os problemas do mundo.

O Enem espera algo mais dos candidatos. Valoriza propostas de intervenção particulares, ou seja, soluções para questões específicas. “Consciência todos devem ter, mas da consciência é preciso partir para a ação. Pense em quais atitudes concretas devem ser tomadas para que o problema seja resolvido”, diz Eclícia Pereira, coordenadora de redação do Cursinho da Poli.

Confira a seguir dois exemplos, uma proposta vaga e outra mais elaborada, que tratam dos desafios para a educação do Brasil:
1. “É fundamental que o país tenha uma educação melhor”
2. “É fundamental melhorar o ensino básico público, expandir o ensino técnico e facilitar o ingresso de pessoas mais pobres ao ensino superior”

Explicação do professor:
O Enem pede uma proposta detalhada de intervenção. Dessa forma, a proposta de número 2 é mais efetiva do que a primeira: ela não diz apenas que a educação dever ser melhor, mas sugere o que deveria ser feito para alcançar esse objetivo.

Apresente soluções realistas

Antes de apresentar sua solução ao problema proposto pela redação, é preciso refletir se sua sugestão poderia de fato ser colocada em prática. O professor Francisco Platão Savioli, do Anglo Vestibulares, conta que é comum alunos mostrarem propostas inexequíveis ou mesmo delirantes.

Entenda a diferença entre os dois tipos de propostas nos exemplos a seguir, que tratam do combate à violência:

1. Proposta pouco efetiva
“A violência só será resolvida quando os cidadãos se convencerem de que são todos irmãos e precisam respeitar uns aos outros.”

2. Proposta efetiva
“Para combater a violência é preciso ampliar o número de policiais nas ruas, assim como treiná-los intensivamente.”

Assuma a responsabilidade pela solução apresentada

Um erro bastante comum entre os estudantes é terceirizar o problema, ou seja, atribuir a outro a responsabilidade pela solução da questão apresentada na redação. Por exemplo: o candidato afirma que a sociedade deve atentar para o alto índice de trabalho infantil. Contudo, se esquece de deixar claro que também faz parte dessa sociedade e, por isso, tem sua parcela de responsabilidade.

Tema do Enem 2011: “Viver em rede no século 21: os limites entre o público e o privado”

Exemplos de soluções:
1. O governo deve verificar se as informações publicadas na internet estão sendo usadas de forma a não ferir a privacidade de cada um.
2. As pessoas devem sempre lembrar que uma informação publicada na internet estará disponível a todo mundo e eternamente em circulação.

Explicação da professora Eclícia Pereira, coordenadora de redação do Cursinho da Poli:
A proposta 2 é melhor. Não faz sentido o governo ter que vigiar tudo o que é publicado na internet. A responsabilidade de gerir informações entre público e privado é das pessoas que expõem seus dados na rede.

Fonte: Revista Veja

Comments are closed.